Sustainable Schools Panama

Programa de Escolas Sustentáveis do Panamá

Programa de Escolas Sustentáveis do Panamá

O Carbon Trust foi contratado pela Embaixada Britânica no Panamá, pela Secretaria Nacional de Energia do Panamá e pelo Ministério da Educação do Panamá para elaborar e implementar uma estratégia de eficiência energética em escolas estaduais do País.

No Programa de ‘Escolas Sustentáveis do Panamá’ trabalhamos com alunos e funcionários para melhorar a infraestrutura de escolas e promover mudanças comportamentais que resultem em reduções significativas no consumo energético dos edifícios.

A rede elétrica Panamenha está atingindo sua capacidade máxima e é dependente de grandes plantas hidroelétricas que são suscetíveis às mudanças meteorológicas. Como consequência, o Panamá já vem experienciando apagões, racionamento de eletricidade, acarretando entre outras coisas na suspensão das aulas na rede de ensino nacional durante diversos dias.

Com uma demanda de eletricidade crescente, com taxas de até 5% ao ano, o desafio da eficiência energética se torna cada vez mais iminente no Panamá. Comparando as taxa de crescimento da demanda e da oferta de energia elétrica, o governo Panamenho já estima uma demanda maior do que a oferta daqui há sete anos. Com o crescimento da oferta de energia sendo freiado por longos prazos de licenciamento e pela grande necessidade de investimentos, tornam-se urgentes as medidas que tornem o consumo mais eficiente – freiando o crescimento da demanda por eletricidade. Medidas de eficiência energética são portanto absolutamente fundamentais para permitir que o Panamá vença este desafio nos próximos anos.

justificando esforços que reduzam o consumo em edifícios públicos, e em especial as escolas, aonde o conhecimento sobre a economia de energia é disseminado para o resto das comunidades.

O governo Panamenho vem assumindo um papel de liderança na redução da demanda por energia elétrica, com seus ministérios e outros órgãos públicos dando um exemplo para o setor privado por meio de suas próprias ações. Focando em escolas, o trabalho liderado pelo Carbon Trust serve para economizar grandes quantidades de energia nas escolas estaduais e também para disseminar as práticas e o conhecimento sobre a necessidade de utilizar a eletricidade de maneira eficiente para as comunidades como um todo. A infraestrutura eficiente nas salas de aula também melhora o conforto térmico das salas de aula criando um ambiente melhor para os alunos.

Uma fase inicial do programa piloto foi executada entre julho de 2015 a março de 2016. Inicialmente, dez escolas foram selecionadas para receber estratégias de redução de consumo energético de 20% em relação ao consumo base de cada escola. Os programas enfatizavam duas áreas: a introdução de tecnologias e práticas eficientes para redução do consumo energético que pudessem ser implementadas rápidamente pelas escolas com todo o suporte técnico e de avaliação de ferramentas providenciadas pelo Carbon Trust; e capacitação das escolas entorno do planejamento de longo prazo, se utilizando de ferramentas para avaliarem as possibilidades de investimentos e priorizarem as medidas e os investimentos ao longo do tempo. 

Para cumprir as metas, as escolas receberam um auxílio técnico personalizado além de um programa de mudança comportamental para envolver os alunos na redução do consumo energético da escola. A fase piloto nas dez escolas ajudou a testar e refinar ferramentas utilizadas, materiais, soluções técnicas e boas práticas desenvolvidas pela Carbon Trust.

Os resultados dos projetos são amplamente disseminados pelo Centro de Recursos para as Escolas Sustentáveis do Panamá, uma iniciativa da Secretaria Nacional de Energia que disponibiliza os estudos de caso e materiais para todas as escolas do país. Isso ajudará mais escolas a economizar dinheiro na conta de eletricidade, diminuir suas emissões de carbono e enfrentar os desafios energéticos mais gerais do Panamá. As lições ensinadas pelo programa poderão ser usadas para fundamentar o desenvolvimento e a reprodução de programas parecidos em outros países da América Latina.

Voltar ao topo